CPA – Comissão Própria de Avaliação

O trabalho da CPA, em conformidade com a missão institucional do IMMES, é a definição, preparação e aplicação dos instrumentos utilizados para o diagnóstico, avaliação e monitoramento institucional, pautando-se nos princípios fundamentais do SINAES (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior) e no Projeto Pedagógico Institucional, na perspectiva de um processo de sensibilização da comunidade acadêmica e de melhoria contínua da Instituição.

O IMMES aprovou a constituição da CPA – Comissão Própria de Avaliação, da qual fazem parte os seguintes membros:

  • 2 Membros do corpo docente;
  • 2 Membros discentes;
  • 2 Membros do quadro técnico administrativo;
  • 2 Membros da sociedade civil organizada;
  • Presidente (escolhido entre um dos 4 membros do corpo docente ou corpo técnico administrativo acima definidos).

Atualmente, a CPA é constituída pelos seguintes membros:

Nome Segmento que representa
Mariana Moretto Gementi-Spolzino Docente (Presidente)
Mauro Donizete Verga Docente
Crislaine Fernanda Xavier Técnico-administrativo
Jéssica Laís Bispo Malaguti Técnico-administrativo
Clara Beatriz de Sousa Discente
Isabely Cristina Soler Discente
Fernanda Bratfish Sociedade civil
Nadia Cristina Abade Coutinho Sociedade civil

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE AUTOAVALIAÇÃO DO IMMES

A avaliação institucional do Instituto Matonense de Ensino Superior – IMMES, ocorre todos os anos de forma sistemática, envolvendo a autoavaliação de todos os serviços prestados pelo IMMES nas atividades-fim (ensino, pesquisa, extensão) e nas atividades meio (apoio técnico, operacional e administrativo). Desde a direção geral até a zeladoria e os setores de conservação, limpeza e segurança patrimonial. São respondidas questões por todos os membros da comunidade acadêmica (discentes, docentes, pessoal técnico-administrativo, gestores educacionais e auxiliares de serviços gerais).

O primeiro trabalho da CPA é a definição e a implementação de um processo de sensibilização da comunidade acadêmica, mediante a divulgação intensiva do processo e de suas finalidades e objetivos. A segunda fase do trabalho é a discussão e a preparação dos instrumentos utilizados para o diagnóstico e monitoramento institucional, submetendo-os à apreciação do Conselho Acadêmico do IMMES. São preparadas questões para avaliação das dez dimensões propostas pelo CONAES, previstas na Lei 10861/05, na perspectiva de um processo de melhoria contínua:

– A Missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional;

– A política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, às bolsas de pesquisa e de monitoria e demais modalidades;

– A responsabilidade social da Instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural;

– A comunicação dialógica com a sociedade;

– As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnico-administrativo, seu aperfeiçoamento, desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho;

– Organização e gestão da Instituição, especialmente quanto ao funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independência e autonomia na relação com a mantenedora e a participação dos segmentos da comunidade universitária nos processos decisórios;

– Infraestrutura física, especialmente a de ensino e de pesquisa, biblioteca, recursos de informação e comunicação;

– Planejamento e avaliação, especialmente em relação aos processos, resultados e eficácia da autoavaliação institucional;

– Políticas de atendimento aos estudantes;

– Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da educação superior.

A partir de 2015, os relatórios foram elaborados seguindo as orientações constantes na Nota Técnica INEP/DAES/CONAES/ Nº. 065 de 09/10/2014, seguindo a estrutura de relatório e capítulos definidos nessa nota técnica. Dessa forma, os relatórios de 2015 e 2016 foram considerados no formato parcial e o relatório de 2017 foi considerado na versão final, conforme definido na Nota Técnica 65, explicitando no Capítulo 3 (Desenvolvimento) do relatório os resultados dos cinco eixos que comtemplam as dez dimensões dispostas na Lei 10861 que institui o Sinaes. Abaixo, é apresentada a organização dos resultados desses relatórios segundo esses cinco eixos:

– Eixo 1: Planejamento e Avaliação Institucional:
  • Dimensão 8: Planejamento e Avaliação.
– Eixo 2: Desenvolvimento Institucional:
  • Dimensão 1: Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional;
  • Dimensão 3: Responsabilidade Social da Instituição.
– Eixo 3: Políticas Acadêmicas:
  • Dimensão 2: Políticas para o Ensino, a Pesquisa e a Extensão;
  • Dimensão 4: Comunicação com a Sociedade;
  • Dimensão 9: Política de Atendimento aos Discentes.
– Eixo 4: Políticas de Gestão:
  • Dimensão 5: Políticas de Pessoal;
  • Dimensão 6: Organização e Gestão da Instituição;
  • Dimensão 10: Sustentabilidade Financeira.
– Eixo 5: Infraestrutura:
  • Dimensão 7: Infraestrutura física.

METODOLOGIA e PROCESSO DE AVALIAÇÃO

A CPA planeja os instrumentos de avaliação e elabora os Relatórios Institucionais de Autoavaliação do IMMES com base nas respostas da comunidade acadêmica. São preparadas questões para avaliar todos os eixos e dimensões. No decorrer do ano, são desenvolvidas ações na linha da sensibilização e capacitação para com o tema da Avaliação Institucional, como a realização e a discussão dos princípios da Avaliação Institucional e da implementação da avaliação interna, em diversas reuniões com a Direção Geral e Conselho Acadêmico, coordenadores de curso, Conselhos de Cursos e a equipe da CPA. A partir do mês de agosto, iniciam-se a implementação da Avaliação Institucional, através da elaboração e posterior aplicação do instrumento de avaliação. É feito inicialmente o planejamento do instrumento de avaliação, a definição de quais segmentos serão ouvidos e quais as questões a serem construídas e aplicadas. É importante explicitar que da prática realizada no IMMES, realiza-se também a avaliação docente e a autoavaliação de curso contemplando também os 2 cursos de graduação, isto é, o curso de Administração e o curso de Direito.

Durante o período de avaliação, os discentes são convidados a responder ao questionário eletrônico desenvolvido pela CPA, através do uso do laboratório de informática da instituição. Nesse processo, é garantido o sigilo e a não identificação pessoal, mantendo a liberdade necessária para que cada discente responda de acordo com sua percepção. Os docentes e funcionários também são convidados a responder o questionário, recebendo por e-mail um link para acesso ao sistema de avaliação desenvolvido pela CPA. Dessa forma, o processo é realizado de forma espontânea, ou seja, a comunidade acadêmica é convidada a participar, mas não é obrigada a responder.

Após a aplicação dos instrumentos de avaliação, os dados são tabulados sob a responsabilidade da CPA para elaboração do relatório final. Procede-se o registro literal de todos os resultados obtidos. Tabelas e gráficos são elaborados para cada uma das questões. Desta forma, constrói-se um Banco de Dados que representava a totalidade das respostas obtidas nas questões, estratificadas pelos eixos e pelas dimensões avaliadas e de acordo com a opinião dos discentes, docentes e funcionários. Após, todo o conteúdo de dados obtidos é analisado através de um diagnóstico, onde cada eixo e dimensão são analisados segundo os seguintes critérios:

  1. a) Principais pontos positivos: os percentuais das respostas positivas do tipo “sempre/excelente” e “quase sempre/bom” são somados; as questões que obtiveram os maiores valores nesse somatório são apontadas como os “principais pontos positivos”;
  2. b) Principais pontos de melhoria: os percentuais das respostas negativas do tipo “nunca/insuficiente” e “raramente/regular” são somados; as questões que obtiveram os maiores valores nesse somatório são apontadas como os “principais pontos de melhoria” (quando essas questões não foram apontadas nos principais pontos positivos);
  3. c) Indicador com pior resultado na dimensão: a questão com o pior resultado em comparação com as outras questões da dimensão tem seu gráfico destacado na análise;
  4. d) Fragilidades detectadas: para questões onde o percentual de respostas negativas é maior que o percentual de respostas positivas, esses resultados são apontados como fragilidades detectadas.

Após, os componentes da CPA elaboraram um texto para cada dimensão analisada, apontando as informações relevantes, apontando os principais pontos positivos, os principais pontos de melhoria, o indicador com pior resultado em cada dimensão e as fragilidades detectadas. Esse diagnóstico é importante, pois ressalta os principais avanços e os desafios a serem enfrentados pelo IMMES. Durante o diagnóstico, é realizada a análise em relação ao que foi estabelecido no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Por fim, a CPA indica um plano de ações para o IMMES, visando a melhoria das atividades acadêmicas e de gestão da instituição. Também são apontados os pontos de melhoria para os próximos processos de avaliação da CPA, colocados na análise final dos relatórios.

Os relatórios da CPA são consolidados e enviados para a inserção no sistema e-MEC pelo pesquisador institucional. Além disso, os relatórios são impressos para divulgação interna, ficando disponíveis para toda a comunidade acadêmica na biblioteca. Os arquivos eletrônicos também são disponibilizados no site do IMMES. Toda a comunidade acadêmica é comunicada da divulgação do relatório da CPA através dos murais e avisos feitos nas salas de aula pelo presidente da CPA.

Após a aplicação dos instrumentos de avaliação, elaboração do relatório final e divulgação dos resultados pela CPA, são realizadas análises dos resultados obtidos. O Conselho Acadêmico anualmente avalia o relatório institucional da CPA e propõe ações para melhorar os indicadores apontados nos relatórios e buscar atingir os objetivos e metas do PDI.

Participação da comunidade acadêmica

Abaixo, são apresentados os resultados da participação da comunidade acadêmica em comparação com o total de discentes, docentes e funcionários em 2017:

Tabela de Participação da Comunidade Acadêmica na CPA 2017

Tipo de
participante
Número de participantes Número total
(comunidade)
Percentual de
participação
Discente 302 333 90,7%
Docente 24 24 100%
Funcionários 7 7 100%
Egressos 41 -680 6,0%-

 

Conforme a tabela acima, 90,7% dos discentes, 100% dos professores, 100% dos funcionários e 6,0% dos egressos participaram da autoavaliação e responderam os questionários. Como pontos de melhoria para os próximos processos de avaliação a CPA deverá:

– Manter o percentual de participação dos funcionários e docentes;
– Aumentar o percentual de participação de discentes através das ações de conscientização;
– Aumentar a participação de egressos através das ações de conscientização; e
– Buscar maneiras de obter respostas da sociedade em 2018.